Pular para o conteúdo principal

BV investe R$80 milhões na plataforma de antecipação de recebíveis Weel

Publicado em sexta-feira, 14/fev/2020 - 08:00
Exame

O site Exame.com publicou matéria sobre um novo investimento de R$ 80 milhões na Weel, plataforma de antecipação de recebíveis, feito pelo BV, ex-Banco Votorantim, para elevar a participação no nicho de empréstimos para empresas médias.

Segundo o diretor de estratégia e inovação do BV, Guilherme Horn, o investimento revela a percepção de como o nicho de empresas médias ainda é precariamente atendido pelo sistema financeiro tradicional.

Insole e Empírica captam R$ 150 mi para financiar energia solar

Publicado em terça-feira, 11/fev/2020 - 08:00
Canal Energia

O site Canal Energia publicou uma matéria sobre a parceria da fintech Insole, financiadora de soluções para energia solar, com a gestora Empírica Investimento. A sociedade resultou na captação de R$ 150 milhões e criação de um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) voltado ao financiamento de painéis solares.

De acordo com a publicação, o produto é o primeiro lançado no Brasil com esse perfil.  Por enquanto, serão cedidos ao FIDC apenas contratos por pessoa jurídica (comercial e industrial). Posteriormente, será analisado a aceitação de contratos firmados de pessoas físicas (residencial).

Antecipação de recebíveis cresce 31,6% em 2019

Publicado em segunda-feira, 3/fev/2020 - 16:52
Jornal do Commercio (RS)

O Jornal do Comércio publicou uma matéria com o presidente da ANFIDC, Luis Eduardo da Costa Carvalho, sobre a antecipação de recebíveis. De acordo com o Banco Central (BC), em novembro do último ano, esta foi a linha de crédito empresarial que mais cresceu no País, totalizando um volume de R$ 95,72 bilhões em recursos, o que representa alta de 31,6% em relação ao mesmo período de 2018. 

"Quando você tem o país mergulhado numa recessão, esse mercado cai. As empresas vendendo menos têm menos recebíveis para antecipar. Já, quanto maior a atividade econômica, maior a necessidade de capital de giro, e as empresas vão ter e maior o volume de operações de antecipação de recebíveis", destaca Carvalho.

Nas graças do Leão

Publicado em segunda-feira, 3/fev/2020 - 16:47
IstoÉ Dinheiro

No último mês de 2019, a Istoé Dinheiro publicou uma matéria sobre onde investir em 2020. O presidente da Associação, Luis Eduardo da Costa Carvalho comentou a alta dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC).

“A queda da Selic obriga investidores a repensarem seus ativos. Deve-se elevar o risco para tentar manter o mesmo nível de retorno e as cotas de FIDC que, mesmo não sendo isentas de IR, são excelentes.”, afirma o presidente.

Investimentos em FIDC Fornecedor podem ser uma boa alternativa

Publicado em quinta-feira, 16/jan/2020 - 08:00
Exame

O site Exame.com publicou matéria, realizada pelo especialista Rodrigo Balassiano, da ID Serviços Financeiros, explicando as alternativas que um fundo de investimento em Direitos Creditórios (FIDC) Fornecedor pode oferecer, como é seu funcionamento e suas vantagens.

O que esperar dos fundos de crédito privado em 2020?

Publicado em segunda-feira, 13/jan/2020 - 09:00
Valor Econômico

O portal Valor Investe produziu matéria sobre as expectativas para os FIDC em 2020. Segundo os gestores do segmento, a volatilidade do setor será menor e as perspectivas são boas. Além disso, os gestores aconselham o investidor a necessidade de entender as diferenças dos fundos na hora de escolher suas aplicações.

STJ define FIDC como instituição financeira e cria desconforto

Publicado em segunda-feira, 9/set/2019 - 05:00
Valor Econômico

O voto do relator, ministro Luis Felipe Salomão, definiu que se houver inadimplência em créditos comprados por fundos de investimentos em direitos creditórios, o FIDC poderá cobrar esses recursos daquele que fez a cessão dos créditos para o fundo, se isso estiver no contrato.

É válida previsão de fiança em contrato de cessão de crédito que tem FIDC como cessionário

Publicado em quarta-feira, 28/ago/2019 - 18:00
STJ - Superior Tribunal de Justiça

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que é válida a previsão de garantia fidejussória (fiança) em contrato de cessão de crédito que tem por cessionário um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC).

Fundos que investem em carteiras de recebíveis de cartões de crédito cresceram quase 10 vezes em 3 anos

Publicado em sexta-feira, 28/jun/2019 - 10:00
O Estado de S. Paulo

Levantamento da Uqbar o patrimônio dos Fidc deste tipo de recebíveis atingiu R$ 19 bilhões em abril com relação aos R$ 2 bilhões em dezembro de 2015.